Engana-se quem acha quem acha que ensino a distância é assunto atual. No Brasil, o ensino a distância começou com a fundação do Instituto Rádio­ Técnico Monitor, em 1939, atualmente Instituto Monitor, seguido veio o Instituto Universal Brasileiro, em 1941, e o Instituto Padre Réus em 1974. Várias experiências de educação à distância foram iniciadas e levadas a uso com relativo sucesso.

Esse tipo de aprendizagem não é mais uma alternativa para quem não consegue se adequar aos horários e localização da educação presencial, mas se tornou uma modalidade de ensino de qualidade que possibilita a aprendizagem de um número maior de pessoas. Antes o EaD não tinha credibilidade, era um assunto polêmico e trazia muitas divergências e era sinônimo de mais uma das piadas sem graça do Didi. Mas hoje esse tipo de ensino vem conquistando o seu espaço. Porém, não é a modalidade de ensino que determina o aprendizado, seja ela presencial ou à distância, aprendizagem é hoje sinônimo de esforço e dedicação de cada um.

As pessoas se deparam a cada dia com novos recursos trazidos por esta tecnologia que evolui rapidamente, atingindo os ramos das instituições de ensino. Falar de educação hoje, tem uma abrangência muito maior, e fica impossível não falar na educação sem nos remetermos à educação a distância, com todos os avanços tecnológicos proporcionando maior interatividade entre as pessoas. Utilizando os meios tecnológicos a EaD veio para derrubar tabus e começar uma nova era em termos de educação.

Desde que se iniciou, até hoje temos muitas diferenças e podemos destacar três fases muito distintas nas características, que podemos chamar em três gerações distintas.

Meu primeiro curso a distância foi no Instituto Padre Réus de Eletrônica Rádio e TV. Fui ao correio, peguei o folheto, preenchi com os dados e enviei. Dias depois chegou os boletos e conforme os pagavam os materiais chegavam. Este aprendizagem dependia 100% de mim, já que a comunicação com o professor era apenas via correio e o único material que tinha disponível eram os livros e fazias as provas em casa e enviava pelo correio. Este é a 1º geração da educação a distancia.

Após isso começaram parecer os primeiros tele-centros de educação à distância com o recurso de radio e televisão, aulas expositivas, fitas de vídeo e material impresso. Mais ainda havia o problema de que as aulas eram assíncronas. Esta e a 2º geração da educação à distância.

Esta versão é mais pratica, mais leva o aluno de-volta a ser espectador. A 1º geração obrigava o aluno a entender e a pensar, já a 2º geração tornava-o espectador. O processo de aprendizagem requer interação ou dedicação não ser espectador.

Então se via que precisava de mudanças, e assim com os novos recursos de comunicação surgiu a 3º geração da educação a distância. A terceira geração só foi possível graças à internet com a criação de ambientes virtuais de aprendizagem. Primeiro vieram os ambientes de virtuais de aprendizagem que trouxera recursos de fórum, chats, blogues, wikis que deram a ele muita interação a aprendizagem.

A 3º geração trousse novamente cursos totalmente em apostilas, cursos em vídeo, mais com o diferencial da interatividade via internet.

Os desafios da 3º geração

Neste novo modelo de educação o professor ou tutor atua como mediador, sendo aquele que estabelece as métricas e a rede de comunicação para aprendizagem. Ele perde a tarefa básica de ensinar e passa a ser o responsável por construir a aprendizagem.

A mediação da tutoria pode se dividir em:

Chats: Salas de bate papo criadas com temas específicos ou de assunto aberto. Estas salas devem ser realizadas em horário marcado e deve haver um ou mais tutores presente para tirarem dúvidas. Há existência de dois tutores pode ser útil para iniciar debate entre eles, caso os alunos não façam perguntas e um deles deve iniciar uma discussão em um determinado tema e os alunos fazem o restante.

Áudio Chats: Esta modalidade também conhecida como áudio - conferencia é pouco conhecida e difundida. Nela o tutor não escreve, ele fala e os alunos interagem com ele através do Chat. Esta modalidade traz a maior de todas as vantagens pelo aluno escutar a voz que os atende normalmente nos meios off-line como E-mail e fórum. Nestas áudio-conferencia o aluno se sente próximo ao professor visto que ele escuta a sua resposta em tempo real.

Fóruns: O fórum deve ser trabalhado de modo a trazer interação. Nela deve se levar o aluno ao raciocínio de um determinado tema. O tema deve ser escolhido em relação ao contexto geral ou ao assunto abordado quando se trata de curso seqüencial

Blogues e Wikis: Devem ser usado para expor conhecimento a longo prazo. Os blogues devem ser usados sempre para algo que acontece no dia a dia, como noticias que perdem sua importância ao passar doa dias. Já os wikis devem ser usados para artigos que não perdem a sua relevância ao passar doa dias e turmas.

Atendimento off-line: Esta é o mais antigo meio de comunicação via internet e será ainda por muito tempo utilizado. E-mail! O atendimento via E-mail deve ser mantido, como ultima ferramenta de tutoria, sendo específico para problemas ou dúvidas pontuais.

A 3° geração admite que os cursos sejam totalmente à distância ou semi-presenciais, sendo que este último o encontro presencial deve ser mais substituto do Chat e aulas de reforço que aprendizagem. Caso você coloque os alunos em sala de aula os tornarão novamente expectadores e espectadores é mais difícil de estimular o raciocínio. Há instituições hoje que usam recursos áudios-visuais e tecnológicos para as aulas presenciais. Exemplo disso são os tele-centros que recebem sinal de áudio e vídeo do satélite ou da internet e os alunos ficam em salas de aula assistindo esta aula. Há também neste exemplo, casos aonde o aluno não vai a uma sala e aula e sim apenas a um local que tenha internet de qualidade.

Perspectivas atuais

A educação à distância esta entrando em todos os setores de educação. Desde as séries fundamentais podem-se adicionar tarefas extras sendo à distância. Há instituições que levaram toda a estrutura das aulas de reforço para as videoconferências com a mesma qualidade de aproveitamento que existe no ensino presencial, com diferencial que este aluno se encontra no conforto do seu lar, economizando assim para a instituição o espaço físico tão restrito nos grandes centros urbanos.

A educação a distância deve forçar o papel do aluno como sujeito principal de sua aprendizagem, fazendo com que ele descubra novas formas e compartilhe suas descobertas através do fórum, Blog ou wiki. Cabe a instituição que promove o ensino desenvolver a aprendizagem de acordo com os quatro pilares da educação, definidos pela Unesco (Aprender a Conhecer, Aprender a Fazer, Aprender a Conviver, Aprender a Ser).

O Afobado come cru

A facilidade que se tem hoje de criar uma empresa virtual chegou a ensino a distância. Todos os dias novos e novos sites surgem vendendo cursos dos mais diversos tipos aos mais diversos valores. Vale também lembrar que os métodos de ensino aplicados ao presencial podem não funcionar como modelo de educação à distância levando muitas destas empresas ao fracasso e seus alunos ao desanimo do método de ensino.

Gostou? Não esqueça de curtir!

4 comentários

Deixe uma resposta

  1. Vou dizer bem a verdade, eu mesmo tive um preconceito contra educação a distância por muito tempo. Até começar a trabalhar com isso e vislumbrar o mar de possibilidades que ela oferece. Hoje penso que aprender sozinho, nem que seja pesquisando os assuntos de interesse no google, é melhor do que muitos diplomas de Universidades e Faculdades "renomadas" que permitem que o aluno saia dela sem saber absolutamente nada, apenas achando que sabe. Noto também um desânimo muito grande por parte de muitos gestores de empresas com relação a essa "formação tradicional". Creio que o futuro está longe de diplomas e cada vez mais próximo de conhecimentos práticos e entendimento dos assuntos importantes para as funções que as empresas necessitam.

     
  2. Isso mesmo. Porém universidade serve para ensinar a pessoa a pensar e não há trabalhar.

     
  3. Concordo com você. Faço suas as minhas palavras.

     
  4. Fico grato com suas palavras.