Se você, como eu, trabalha em EAD e cursos, provavelmente você já ouviu as pessoas se referem aos "níveis" do EAD. Mas o que eles significam? 

Bem, na indústria de EAD, existem três tipos geralmente aceitos ("níveis") de EAD, que, por sua vez, afetam a experiência de aprendizado, custo e tempo de desenvolvimento do seu projeto.

Você sabe quais são? Então vou falar:

Nível 1

Este é aqueles cursos no estilo "Clique para prosseguir", baseado em telas e professores virtuais. Tem por padrão baixa interatividade e cada tela tem muito pouco conteúdo e é visto por muitos como uma alternativa pro aluno não perder o foco. 

No nível 1 as questões são geralmente de múltipla escolha ou verdadeiro/falso.

Este nível deve se ter muito cuidado com o público e é empregado treinamentos curtos e/ou para pessoas com pouca familiaridade com computadores.

Particularmente eu odeio este nível. Fazendo um curso deste eu me sinto um analfabeto...

Nível 2

Neste nível os cursos começam a ter mais interação e ficarem mais ricos em recursos. Normalmente tem vídeos aulas e recursos de áudio e vídeo. Quizzes são de arrastar-e-soltar e atividades relacionados. 

Este nível de EAD também é muitas vezes acompanhada de narração e atividades tais como cliques em pontos estratégicos e interação do usuário em captura de tela.

Nível 2 e-learning é usado frequentemente porque é um meio termo agradável que oferece uma experiência mais rica para o aluno.

Nível 3

Agora os cursos são complexos e bastantes sofisticados criando uma experiência muito mais interativa de aprendizagem. Este nível usa recursos sofisticados de áudio e vídeo, transições, efeitos e simulações.

Este recursos usa cenarios sofisticados (nada de chroma key) e é desenvolvido para uma formação mais avançada. 

Infelizmente este nível é muito caro e necessíta de muito investimento e 

Na Englishtown estou fazendo um curso assim... (não ganhei nenhuma mensalidade pela mensão)

E...

É importante você saber este níveis. Quando comecár um projeto é importante saber o público alvo do curso e o quanto a empresa tem a investir.

E você, qual você cria? Deixe nos comentártios! Eu fico muiiiiiiiiiiito feliz quando vocês comentam....

Gostou? Não esqueça de curtir!

3 comentários

Deixe uma resposta

  1. Sem dúvida um planejamento, que inclua o perfil do usuário aprendiz (faixa etária, experiencia com tecnologia, tempo disponível, banda larga disponível, escolaridade etc.)Tudo isto é sem duvida o caminho certo para se ter uma experiência de sucesso num curso do tipo EaD (e no Moodle). Posso dizer, assim como no presencial, que ocorrem coisas similares.

     
  2. Sei que não é exatamente a proposta do artigo (que trata, ao meu ver, da parte gráfica e interacionista do curso), mas já fiz cursos EaD que requeriam a conclusão de um artigo Científico no final do curso, como forma de se obter o certificado. Claro que eram cursos realizados por instituições públicas de ensino superior que davam mais valor ao conhecimento academicista.

    É que ao ver sua explicação do Nível 1 do cursos EaD e das questões de múltipla escola e de certo-errado, me peguei relembrando o caminho que caminhei junto com a EaD aqui no Brasil, desde meu primeiro curso (2007) até agora.

    Observação: não sou profissional da área, apenas um entusiasta e esposo de uma profissional que é grande defensora.