Este artigo nada tem a ver com Moodle, mais como existe muitas perguntas relacionadas a loja no POST Moip ou Pagseguro ou Paypal, o que escolher para vender seus cursos que resolvi escrever este POST.

Vender a prazo e receber de uma só vêz

Esta é a pior burrice que um comerciante faz. Escolher o meio de pagamento porque nele é possível vender e receber "todo" o valor de uma vês só.

Mais quando você faz a primeira venda você se depara com cobranças de taxas sobre taxas o que praticamente ruiu todo seu lucro.

Mais porque isso?

* PS: o símbolo ~ antes de R$ significa que o valor é aproximado.

Os meios de pagamentos quando adiantam parcelas, na verdade estão lhe emprestando dinheiro. Uma venda feita no crédito em 10x, o banco receberá o dinheiro em 10x e a empresa que fez a venda também receberá o dinheiro em 10x. Você neste caso fica com créditos de recebíveis.

Ou seja, o banco só verá o dinheiro em 30, 60, 90, 120, 150, 180, 210, 240, 270 e 300 dias.

Então estas empresas lucram em lhe emprestar o dinheiro, tendo a certeza que vai receber o dinheiro.

Só para ter uma idéia, se eu vender um produto por R$650,00 em 7 vezes no cartão de crédito o cliente irá pagar ~R$730,00 e você apenas receberá ~R$610,00. Ou seja, R$120,00 de taxas e juros.

Já se você vender um produto por R$260,00 em 10x, o cliente pagará ~R$305,00 e você receberá ~R$240,00. Ou seja, R$65,00 de taxas. Se você fizer em 10x sem juros, o cliente pagará R$260,00 e os R$65,00 será descontado dos R$240,00 que você terá a receber. Ou seja, você apenas receberá ~R$175,00 de uma venda.

Então como devo fazer?

Você deve escolher meios de pagamentos que lhe dão o controle sobre a gestão dos recebíveis, e assim você consegue trabalhar com este dinheiro.

Quando trabalha com recebíveis o dinheiro da parcela ficará disponível mês a mês, independente se o cliente pagar ou não a conta do cartão. Ai é problema da operadora de cartão...

E como repor estoque?

Para isso tem-se a gestão do Fluxo de Caixa. Fluxo de caixa é o valor que você tem em caixa para cobrir o estoque que é vendido a prazo.

É assim que grandes empresas massacram as pequenas. Grandes tem dinheiro para cobrir o fluxo e assim podem vender tranqüilamente em 10x sem juros.

É muito complicado para uma empresa que vende produtos trabalhar sem o fluxo de caixa e sem recebíveis. Esta fadado a trabalhar sem lucro algum, o que desaminará o comerciante e o fechamento das portas (ou do domínio) esta com dias contados.

Como posso vender com recebíveis?

Há várias opções de empresas. Mais algumas lhe indico:

pagar.me: Empresa de intermediações que faz a gestão completa de vendas e gestão de Recebíveis.

Cielo e-Commerce: Mesma empresa das maquinas de cartão, e disponível também para empresas de vendas on-line.

Gostou? Não esqueça de curtir!

12 comentários

Deixe uma resposta

  1. Estou montando um site/blog em wordpress.com para vender treinamento e consultoria. Dado que o wordpress.com é bem limitado para integrações, penso em três caminhos alternativos possíveis, para simplicidade e rapidez em poder iniciar e vender:
    1. Integrar-me com uma empresa de meios de pagamento;
    2. Integrar-me com uma plataforma de e-commerce, que já vem integrada aos meios de pagamento;
    3. Partir para um novo site com uma plataforma de e-commerce, que já vem integrada aos meios de pagamento.
    Qual seria melhor?

     
  2. Olá Eduardo,
    Sou um semi-analfabeto em termos de comércio eletrônico e quero abrir uma loja virtual.Fico confuso com tanta opção, termos técnicos, etc... e como sabes, no começo é duro...muito vontade e budget limitadíssimo.
    Vi o Terra Cielo e me pareceu razoavel, tem alguma recomendação por onde seguir neste primeiros passos ?

     
  3. Prezado Eduardo, permita-me opinar:
    Na verdade, o ideal é que a taxa já esteja incluída no preço total a ser parcelado, e o oferecimento para pagamento a vista.
    Por exemplo: Se o produto custa 2400,00, já incluído neste valor o lucro,  e sabe-se que a taxa por parcela é de 2.39% (é a do Paypal, no caso), o comerciante pode (e deve) fixar o preço com base no maior número de parcelas que deseja oferecer. Digamos que fossem dez. O valor total seria assim acrescido em cerca de 600 reais.
    A saída é que o preço anunciado ao consumidor seja de 3000,00 em dez vezes, ou 2700 em 3 vezes ou 2400 a vista.
    Com esta abordagem, o cliente tende a pagar a vista, o que reduz a taxa do site intermediador, ou em menor número de parcelas, com o mesmo efeito, o que pode manter ou majorar o lucro.
    Ou seja, estaríamos tratando o custo do site como custo operacional ( o que faz sentido, já que o suposto site é parte essencial no processo do negócio) e inserindo os diferentes taxamentos como descontos em uma matriz de concessão.
    Em outras palavras, estaríamos transferindo ao cliente a oneração do parcelamento, e assim o educando para a realidade de que não existe parcelamento sem juros.
    PS: antes de montar minha editora, trabalhei diretamente na Itaú Cartões, e estou habituado à lógica própria do crédito, que é simples: Ele é um empréstimo. E, se o cliente contratou o empréstimo viabilizado pelo cartão, ele que arque com o custo...

     
  4. No mundo moderno funciona assim. Você vende a vista por 2400,00, e o Rancho Bahia vende por 2400,00 em 10X sem juros. Em qual você compra?

     
  5. Depende da qualidade do produto. De toda forma, se for exatamente o mesmo produto e eu dispuser do valor integral, compro à vista. E, se eu não dispuser do valor integral, uso o cartão. No mundo moderno funciona assim sim, desde que o cliente não saiba que é assim que funciona.
    Ele não precisa saber o valor real do produto, ele precisa é ser convencido de que a compra vale a pena.
    Vender consiste em convencer um sujeito de que ele precisa te dar dinheiro para usufruir de algo que você tem a oferecer, é uma relação meramente de convencimento.
    Se o preço a prazo não é competitivo, então algo tem de ser revisto na cadeia de produção.
    No meu caso, meu preço a prazo é melhor que o preço a vista dos concorrentes, e à vista é mais barato ainda. E continuo funcionando.
    Ou o senhor realmente acredita que o que lhe vendem vale o valor cobrado?
    O fundamento da relação comercial é o lucro, é a mais valia, é vender acima do valor de produção. E, do ponto de vista de quem está a receber, quanto mais acima melhor. Qualquer variação desta lógica é mero papo furado.
    Enfim, aumente seu preço e dilua nele o valor dos juros - é o que eu digo, pelo fato de ser CUSTO, e não ROUBO ou LUCRO DESPROPORCIONAL. Operadoras de crédito e intermediadores cobram dinheiro... fazer o que? E quem quiser comprar em outro lugar, que esteja à vontade.

     
  6. Apenas uma outra observação:
    Porque alguém seria estúpido ao ponto de vender a mesma coisa que a Rancho Bahia com a mesma qualidade e o mesmo serviço secundário (frete grátis, digamos...) agregado?
    Quem em sã consciência se colocaria no mercado vendendo o que o concorrente 7000 vezes maior vende?
    Parece-me mais saudável oferecer outro tipo de produto ou um produto muito melhor ou estabelecer o monopólio de venda em algum setor (geográfico, social, intelectual) do que tentar, sendo um traque, competir com a bomba H.
    Ou seja, no nosso caso, que editamos livros, não concorremos com a Vozes. Miramos no cliente que não pode publicar com a Vozes por não se encaixar no perfil editorial deles.
    E, como o custo de um livro inclui papel, não temos uma gráfica. Ao contrário, temos um acordo comercial com uma gráfica muito pequena e que estava quase a ponto de falir e que imprime pra gente por um valor equivalente a 60% das outras gráficas.
    Resultado prático? Nosso produto é tão bom quanto o da Vozes, só que sai muito mais barato!
    Inclusive, pasme... já imprimimos livros do próprio presidente do conselho de lá, que não se encaixava no perfil editorial da citada Vozes.
    Agora, mexer no preço porque o intermediador cobra... soa estranho demais. Parece mais com uma planilha de custos mal feita, que não levou em consideração este custo.
    Se você vender algum produto que tem o lucro minorado por conta disto, recomendo-lhe a alterar seu produto, seja no custeio do mesmo (diminuindo em algum lugar) sendo trocando o mesmo. Assim você conseguirá alterar a margem de lucro, por ser um fator sobre o qual você tem total controle.
    Mas fatores externos têm de entrar para a planilha como "dados", e não como "especulação" de alguma forma.
    Aumente seu preço e seja feliz, Eduardo... Abraço.

     
  7. Na concorrência a Amazon, Americanas, etc... vendendo à R$2.200,00 em 10x sem juros.

     
  8. Olá Eduardo!
    Quero iniciar uma loja virtual com produtos artesanais que produzimos aqui em casa.
    Estou pesquisando as possibilidades, e pelo sei site pude perceber que o pagseguro não é uma boa intermediadora, fui então pesquisar pela Cielo, que ao que parece é melhor opção que as outras intermediadoras.
    Como ainda não tenho site, vi que a Cielo tem uma parceria com o Terra, num mesmo plano, para hospedagem da loja virtual e pagamentos pela cielo.

    Gostaria de sua opinião.

    Se você conhece? Se eh boa a hospedagem do Terra....

    Grata

     
  9. Do Terra, só não gosto da forma com que eles te tratam na hora de cancelar. Cancelar é um pesadelo.

     
  10. Boa noite Eduardo
    Estou querendo ingressar nesta área de vendas on-line mas tudo que pesquiso parece meio confuso, tenho já uma loja Física de roupas e acessórios e inicialmente começaria a vender acessórios pela internet. Já vi plataformas como a Nuvem Shop e a UOL host( em sua opinião qual é melhor ou até uma outra de sua preferência )e em questão de vendas e recebimentos não sei qual abrir uma conta!!

     
  11. Fuja da UOL Host, pior hospedagem do Brasil. Fuja também da Locaweb e da RedeHost.

     
  12. Andréia boa tarde!
    Eu tenho uma loja no Nuvem Shop. Super recomendo viu! Minha hospedagem é no Godaddy, suporte deles é sensacional. Quando ligo lá sou muito bem tratada. Difícil é só promover o site para que ele seja visto. Tem que investir muito. Meu site http://www.makeupshopbh.com